Tag Archive for comportamento

A monotonia trazendo sérios riscos para sua vida

monotonia“I feel monotony and death to be almost the same” – Charlotte Brontë

Eu sei e você sabe que respirar monotonia é uma questão de escolha… sim, uma questão de escolha da própria pessoa. No entanto, não é difícil encontrarmos pessoas que se arrastam ou lamentam dizendo que estão achando tudo muito chato ou monótono… que o dia-a-dia delas é seeeempre a mesma coisa.
Bom, se realmente elas ficarem aguardando todas as mesmas coisas acontecerem dia após dia… fica difícil ter a ideia de se desviar um pouco do caminho. E este caminho traz uma sensação tão ruim, tão pesada a aquelas pessoas, que muitas caminham para a depressão ou algo significativamente psicossomático. Um verdadeiro perigo para sua mente, seu corpo… e sua própria vida.

Às vezes, a causa disso pode ser o “pensar muito… agir pouco”. Isso já aconteceu e geralmente acontece com todos. Em algum momento, nos encontramos parados ou até fazendo algum movimento mecânico e ficamos lá, pensando, divagando, criando uma teia de pensamentos, criando histórias cheias de probabilidades e impossibilidades. E perdemos totalmente o foco no que estamos fazendo naquele momento… até porque às vezes simplesmente estamos parados sem fazer nada. E você pode não perceber, mas lá se vão segundos, minutos ou até horas só pensando e não agindo. Eu acredito que em uma proporção maior, as pessoas se acostumam tanto a estes momentos, que acabam sofrendo por coisas que não aconteceram, por coisas que acabaram por não fazer ou realizar. E não demora muito para vir uma possível depressão.

Quando percebemos, a causa de todo um universo catastrófico em nossas vidas foi um simples toque de monotonia em algum lugar no passado. E essa monotonia podia ter sido evitada.

É engraçado dizer isso, mas a monotonia não tem nada a ver com uma rotina disciplinada diária. Uma pessoa pode levar uma vida disciplinada, regrada e com compromissos que exigem que ela esteja em um local em um determinado horário todo santo dia. E ainda assim, se ela inserir elementos e pessoas diferentes dentro desta rotina, sem deixar de realizar suas atividades corriqueiras, a monotonia pode passar longe dela. Por exemplo, todas as manhãs, eu levanto e saio para fazer uma caminhada/corrida por meia hora na esteira ou na rua, retorno para casa, tomo banho, tomo café, leio por 10 minutos e vou para o trabalho. A monotonia passa longe desta minha manhã pois eu sempre verei pessoas diferentes em meus exercícios matinais. Nunca se sabe se algo errado vai ocorrer com os ovos que preparo para o café. Não é certo que meu gato acabará arranhando ou mastigando alguma roupa sobre a cama. E nunca se sabe o que vou ler… posso escolher o que quiser, e nenhuma página será como a outra. E muitas outras coisas podem ocorrer durante esta rotina. Nunca é igual… ou eu não deixo ficar na mesmice de sempre.
Da mesma forma, as pessoas que não seguem necessariamente uma rotina podem se encontrar em momentos de reflexão profunda enquanto dirigem o carro, quando vão deitar a cabeça no travesseiro alguma noite, e veja só, a pessoa que não estava seguindo uma rotina, se vê entrando em transe e faz disso uma “rotina”.

O que realmente precisamos fazer é agir mais, da forma menos mecânica possível. Faça sempre coisas diferentes no seu dia-a-dia e discipline a si mesmo para não ficar olhando para o além e começando a divagar sobre diversas coisas. Preste atenção ao seu redor, ao seu ambiente, aos objetos que você está pegando e os processos em que você está agindo. Certamente treinando isso, você tem menor possibilidade de cair em momentos ou dias monótonos e viverá melhor cada dia.

Uma questão de disciplina

“Gente, estamos numa agência de propaganda. Que regras são essas?” – Foi o que mais ouvi nos anos de trampo em agências. Obviamente tudo em salas de reuniões onde alguma discussão do ambiente de trabalho era colocada na mesa… e provavelmente, sem a presença dos diretores.

Sim, você também já ouviu ou provavelmente também já disse isso.

Várias foram as reclamações ou críticas em relação ao que tais ambientes permitiam ou não. Oras, estes funcionários, homens e mulheres, geralmente abaixo dos 30 anos de idade não se conformavam como tais liberdades não eram possíveis dentro de agências de propaganda, lugares em que a criatividade e o “fazer o diferente” eram alguns dos elementos da base do negócio.

Temos uma crise quando há o desencontro de 3 pontos:

Ponto 1: A agência é uma empresa como várias outras que existem pois precisa investir pesado para conseguir gerar capital, gerar receita, precisa dar conta de custos e despesas. Seu investimento em pessoas e recursos precisa ser bom pois a agência vende serviço e este é pensado e criado pelas mentes ali presentes. A agência tem que fazer com que seus clientes obtenham lucro por terem acreditado e confiado em seu serviço. O seu lucro vem de toda uma boa administração de vários fatores como esses citados.

Ponto 2: A criatividade e a oferta de algo diferente e eficiente não virão de um sistema de formigas operárias. Estes elementos vêm do conjunto do repertório de cada pessoa, do poder de associação de ideias, de muita observação, pesquisa, análise, da troca de informações, seja em reuniões ou brainstorms internos e de conversas com os clientes e os consumidores. Estes mesmos elementos também vêm de inspiração e de experiências diferentes no dia a dia que passam para o tal repertório.

Ponto 3: A tal máquina pensante, que é o funcionário/colaborador, é capaz das coisas mais inimagináveis e incríveis neste mundo porque ele pode ser imprevisível a qualquer momento… para o bem ou para o mal. É dele que virá o sucesso, o fracasso ou a estagnação dos negócios da agência. Esta pessoa quer ser feliz, e independente do que seja o significado de felicidade para cada um, ela, por estar dentro de uma empresa, tem direitos e deveres dentro desta, assim como ela também tem outros direitos e deveres em sua vida não-profissional.

Exatamente! O desequilíbrio destes 3 pontos começa a trazer lenha para uma possível fogueira bem difícil de ser apagada.

Para facilitar o que quero expressar, vou citar abaixo algumas opiniões/críticas e então meu ponto de vista:

– “Aqui é uma agência! Todos deveriam chegar qualquer hora ou que pelo menos não precisasse chegar tal horário”.

Se o combinado na entrevista final e no contrato foi que você deveria entrar tal horário, então você DEVE entrar neste tal horário. Se você mora longe ou até em outro planeta, você precisa respeitar esta regra que você aceitou.

Trabalhei com uma garota que sabia que tinha que chegar às 9h, creio que com algumas semanas de trabalho, ela começou a chegar 9h30, 10h… Foi chamada, recebeu advertência e continuou a chegar muito tarde. Desculpas como morar longe e que na agência anterior as pessoas podiam chegar em outros horários eram suas justificativas. Nope, nope, nope, querida!

Claro que existem diversas agências que oferecem tal liberdade na flexibilidade em relação aos horários, aí tudo bem, mas se este não é o caso, é melhor você respeitar as regras.

– “Parece que eles ficam contando quantos minutos fico tomando café! Que absurdo!”

Pois é, fumar seu cigarrinho, tomar seu cafezinho, dar aquele break durante o dia de trabalho, eu acho necessário. Dar aquela respirada, aquela espairada faz muito bem. E nesses momentos você acaba conhecendo pessoas que mal encontra dentro da agência e trocando informações que até podem gerar ideias ou ajudá-lo em algo. Mas olha só, se você realmente só vai fazer seu break diário, vale a pena não forçar a barra indo toda hora ou fazendo um horário de “segundo almoço”.

No entanto, há situações um pouco diferentes como fazer sua mini-reunião ou um brainstorm dentro da copa ou num jardinzinho, tomando um café ou fumando um cigarro. Oras, você está produzindo, trabalhando, mas algumas pessoas (geralmente aquelas que estão “de olho”) não estão cientes de que aquilo é trabalho. Nesta situação eu acho que a “pessoa que tudo vê” precisa saber e se lembrar que está dentro de uma agência de propaganda/comunicação e que existe tal possibilidade.

Vale também lembrar que não é porque a pessoa está sentada em seu lugar na mesa que ela está produzindo.

– “Meu, esse pessoal (diretor, sócios, etc) age como se aqui fosse um escritório de contabilidade”

Aqui vale perder um tempo ouvindo exatamente o que vem depois disso, pois dependendo do que vier, não se esqueça que você topou trabalhar neste lugar sob x regras.

Procure outro lugar que tenha as regras com as quais você se identifica.

Se os argumentos forem construtivos para o desenvolvimento e melhor desempenho da agência, vale a pena levá-los a outros departamentos e à diretoria para uma discussão.

– “Não me deixam acessar o Facebook. Como pode?”

Ih, já estive em várias discussões como esta. Defendo a ideia de que o acesso total à web precisa estar liberado a todos os funcionários da agência. Se notam que o funcionário está usando mídias sociais, pesquisas na web, entre outros apenas por lazer, chegando a atrapalhar o ritmo de trabalho, o problema não é da mídia social, não é da liberação desta para todos os funcionários, mas de conduta do funcionário. Cabe ao RH e supervisores/diretoria tratar o assunto o mais rápido possível.

Existem várias outras situações, mas creio que estas foram as mais comuns que ouvi.

O que todas as pessoas que trabalham nestas agências, independente do cargo, deveriam levar em consideração é o bom senso e o debate inteligente sobre mudanças e melhoria contínua do geral. Não vejo necessidade em ser totalmente 8 ou 80, até porque não seria saudável para qualquer empresa.

Quais críticas você já teve ou tem em relação ao comportamento ou disciplina dentro de uma agência de propaganda?

O “curtir” é o mais simples dos espelhos

Praticamente parecido com a presença de aplicativos em seu tablet ou smartphone, através das fanpages que você curte pelo seu perfil no Facebook, podemos notar como estamos nos comportando hoje.

Existem fanpages que estarão constantemente curtidas por você: a fanpage da sua empresa, do local onde trabalha, da sua banda favorita, time do coração, da nova loja virtual criada por seu primo (para dar aquela força) e algumas outras. Mas existe um grande universo preenchido pelas fanpages que você certamente vai parar de curtir algum dia e será substituída por outras 3.

Lembra-se das comunidades do Orkut? Aquelas 1500 que você entrava sem lembrar depois que estava nelas? Exatamente igual! Estas páginas que você está curtindo e que pertencem a este outro universo que citei acima, você curtiu porque precisou (fazer pesquisa, olhar concorrência, deixar alguma reclamação) ou então porque suas emoções na hora falaram mais alto e você acabou curtindo.

Diferente daquela época do Orkut com as comunidades, seu feed de posts do Facebook pelo menos trará conteúdo próprio, e bem ou mal, ainda prefiro atualizações variadas… odiaria receber poucas notícias por hora.

Faça um exercício, primeiramente com as páginas que você curte, abra lá seus likes e dê uma olhada ano a ano. Você vai lembrar o que estava acontecendo na época para você curtir cada fanpage.

Depois faça um exercício com algum amigo seu, no mínimo será bem interessante.